segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Reforma ortográfica.

Bom, eu não sou a favor da reforma, mas acabei sendo obrigada a pesquisar e interar-me do assunto, pois em 2012, o que eu escrevo vai ser considerado errado.


Desde o primeiro dia do ano, as novas regras ortográficas, determinadas pelo acordo ortográfico entre países que têm o português como língua oficial, passaram a valer no Brasil. O país, contudo, ainda tem até 31 de dezembro de 2012, período de transição, para se adaptar às mudanças que não atingem mais do que 0,5% da forma de escrever. Ate lá, podem ser usados tanto o formato antigo quanto o novo. Depois de quatro anos, a alteração passa a vigorar de vez.

A forma de falar continua a mesma, o que muda é somente a escrita. As principais modificações são: desaparecimento do trema, supressão do hífen em alguns casos, a retirada de acentos em ditongos e a inclusão de três letras (Y, W e K) no alfabeto, que voltam apenas para manter a grafia de palavras estrangeiras. O acento circunflexo também sofreu algumas mudanças. Ele será suprimido nos casos em que dois 'os' ou dois 'es' ficam juntos, a exemplo de vêem e vôo, que passarão a ser grafados sem o acento (voo e vêem).

O Grupo A TARDE, assim como grande parte da impressa brasileira, já se adequou ao novo formato desde esta quinta-feira, 01, primeiro dia da alteração. Toda a produção veiculada nas mídias impressa (Jornal A TARDE) e digital (A TARDE On Line) do grupo seguirão o novo padrão. Dessa forma, o leitor terá mais facilidade para fixar as regras gramaticais lendo as notícias diariamente.

Confira as modificações

Prazo - No Brasil, as editoras terão até 2012 para promover mudanças nos livros didáticos, segundo determinação do Ministério da Educação (MEC). As áreas de marketing, jurídica e de recursos humanos das companhias brasileiras também têm o mesmo prazo para se ajustar. A maioria dos jornais brasileiros, no entanto, já adotou grafia, estabelecida pelo Acordo Ortográfico aprovado há nove anos e assinado em setembro do ano passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Edições de alguns dicionários já chegaram às prateleiras das livrarias de acordo com a grafia estabelecida pelo acordo. O minidicionário Houaiss da Língua Portuguesa" (editora Objetiva) foi o primeiro a contemplar integralmente a nova lexicografia. A editora do dicionário Aurélio já lançou edições revisadas do dicionário e contratou 20 revisores para alterar toda a relação dos volumes.

Objetivo - A intenção da reforma ortográfica, promovida pelos países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), é acabar com a diferença na grafia das palavras entre países lusófonos, tornando a escrita do português do Brasil a mesma dos outros países integrantes da CPLP. Outro fator que motivou a unificação foi a necessidade de expandir a cooperação comercial e cultural entres os membros da Comunidade.

Além do Brasil, Portugal, Timor Leste, Cabo Verde, Angola Guiné-Bissau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Macau (província administrativa que pertence à China, mas que tem o português como a língua oficial) fazem parte da CPLP e, obviamente, irão introduzir as novas regras adotadas no acordo.


O que muda na língua ?


Tem muita gente que não sabe que está sendo feita uma reforma ortográfica na língua portuguesa. Isso trará um impacto a médio prazo na educação brasileira e na sua vida, por isso fique ligado:

O objetivo é acabar com as diferenças entre a grafia do Brasil e a dos demais países têm o Português como sua língua oficial, e com isso aproximar as culturas destes países.

O presidente da Academia Brasileira de Letras, Marcos Vilaça disse que "Hoje, é preciso redigir dois documentos nas entidades internacionais: com a grafia de Portugal e do Brasil. Não faz sentido".

Já o escritor Ruy Castro não vê com bons olhos as novas regras da língua portuguesa: “Já passei da idade de reaprender a escrever. Vou seguir usando a ortografia vigente no dia de hoje e, no futuro, se quiser, o computador que me corrija."

Por se tratar de um assunto que atinge todos nós, gera polêmica e debates em botequins, mesmo se tratando de mudanças suaves, quando as novas regras começarem para valer você terá que se adaptar aos novos tempos.

Você vai pedir “um quilo de linguiça sem o trema”, no açougue. Não terá mais enjôo no vôo, e sim enjoo no voo. E poderá registrar sem dor na consciência seu filho como Weskley.

Pode parecer bem estranho, mas aos poucos as pessoas vão se adaptando a nova lei. Segundo especialistas, serão necessários alguns anos para a sociedade se acostumar com a nova ortografia brasileira.

E é na sala de aula que vai começar as mudanças na ortografia da língua portuguesa. Inclusive os livros didáticos com nova ortografia serão os primeiros a ter obrigatoriedade da “nova língua” brasileira.


Fonte: http://tapanacara.com.br/blog/2008/05/reforma_ortografica_as_mudanca.html

http://www.atarde.com.br/cidades/noticia.jsf?id=1042562



Um comentário:

Lilian disse...

Bem, amei este seu artigo. Gosto muito de português e não sei se concordo com esta nova maneira de escrever, ou sobre esse tempo para que as pessoas fiquem adaptadas. Espero que estas novas regras possam contribuir para o crescimento do país, já que muitos tem dificuldades em aprender. Então fica aqui meu pensamento. Ass: Lilian.